Review: Planet Waves

Olá, meus amigos! Como vocês estão bonitos hoje! Num tão, criançada?

-Tamo shiiiiiiiiiiiiim!

Ah, que gracinhas! Você, loirinha, tá linda.

-Ai, brigada, Rafinha.

Disponha, é sempre um prazer vê-la (faz uma reverência).

EU TO BONITO?

Tá, tá simpático!

UI BRIGADO RAFINHA RS

De nada!

-E eu, chefia?

Chicão! Você voltou!

-Opa, to aqui já faz uns três dias!

Porra! Nem tinha percebido!

-Po, to aqui sim, chefia! Eu que fritei aqueles nuggets ontem!

Ah! Foi você, então? Pensei que tinha sido outra pessoa, ou eu quando estava bêbado.

-Não, fui eu mesmo, chefia.

Po, Chicão! Quanto tempo! Por onde você esteve?

-Ah, nenhum lugar em especial.

Você parece diferente…

-Bem, acho que sim.

Você esteve sumido!

-Naturalmente…

Você vai ficar aqui?

-Se você quiser que eu fique, sim!

(violino)

RAFINHA ISSO É UMA MÚSICA

Shhh, não conta pra ninguém!

Falando em música – ahem – hoje o papo é sobre o décimo quarto álbum de estúdio de Robert Allen Zimmerman:

Planet Waves, 1974

Apesar de não ter figurado no Top 5, este é um dos meus álbuns favoritos do finado judeu (pode não ter pra você, mas pra mim ele já morreu). Acompanhado pela banda The Band (isso mesmo), é uma graça que começa com On a Night Like This, que é uma animação só.

Let the four winds blow
Around this old cabin door
If I’m not too far off
I think we did this once before
There’s more frost on the window glass
With each new tender kiss
But it sure feels right
On a night like this

Ah, quanto amor esse judeu tem pra dar!

RAFINHA VOCÊ TEM ALGUMA COISA CONTRA JUDEUS?

Não, nada! Na verdade, tenho muitos amigos judeus, tudo na paz, sem preconceito.

NÃO SEI NÃO

É verdade! Não tenho nada contra judeus!

QUAL SEU ATOR FAVORITO?

Mel Gibson.

DIRETO FAVORITO?

Mel Gibson.

UHM ISSO NÃO TÁ ME CHEIRANDO MUITO BEM

Continuando…

Outro ponto alto da tracklist é a terceira faixa, Though Mama, em que o judeu sujo meu amigo Bob Dylan canta muito agradavelmente, de novo falando do assunto favorito do planeta! Ah, que gostoso! O clima é de intimidade, amor e sexo! Ah, que gostoso!

Tough Mama
Meat shakin’ on your bones
I’m gonna go down to the river and get some stones
Sister’s on the highway with that steel-drivin’ crew
Papa’s in the big house, his workin’ days are through
Tough Mama
Can I blow a little smoke on you?

Seguindo a ordem natural das coisas, as faixas 6 e 7 são uma canção só: Forever Young, mas em duas versões (claro, né, seu idiota). A primeira é a clássica, aquela que você conhece. Aqui, em trecho extraído do filme The Last Waltz, de Martin Scorsese, sobre The Band:

A letra é sensacional, como todos sabem. Na introdução da entrevista de Dylan à Rolling Stone, em 78, Jonathan Cott escreveu:

On the evening of September 15th, the Boston Red Sox were in New York City trying to get back into first place. In New Orleans, just before Muhammad Ali made his get back, TV commentator Howard Cosell introduced the fighter by quoting from the song “Forever Young”: “May your hands always be busy,/May your feet always be swift,/May you have a strong foundation/When the winds of changes shift.”

A segunda versão presente no disco, sob o nome de Forever Young (Continued), é mais simples e straightfoward. É um rock simples e simpático, que foi, inclusive, usado pela Pepsi num comercial de intervalo de SuperBowl. A versão do comercial foi remixada e tem a participação do will.i.am:

Remixada não ficou tão legal quanto a versão do disco, mas a propaganda é muito boa. E eu gosto do will.i.am, apesar de odiar aquela banda merda dele. Como chama aquela porra? Não vou nem pensar, que não quero lembrar!

BLACK EYED PEAS

Porra, mano! Falei que num queria lembrar!

VOCÊ ACHA AQUELA FERGIE GOSTOSA?

Nossa, não! Meu Deus! Não, claro que não! Nossa! Bate na madeira!

TOC TOC RSRS NEM EU EU TAMBÉM NÃO GOSTO DELA AQUELA FEIOSA

Feia, né? Mas feeeeiiiiia! Que é isso! Velha, acabada!

HORRÍVEL E AQUELE CARA MAGRELO ESQUISITO QUE NUM É BRANCO NEM NEGRO?

Nossa! Aquele cara é estranho! E ele tá sempre de bandana!

NÉ O QUE É AQUILO RSRS

Deve ser careca! Que cara estranho!

E TEM MAIS UM CARA NÉ

Tem, tem um outro, totalmente irrelevante!

É TIPO ELE E O WILL.I.AM SÃO TIPO BETO JAMAICA E CUMPADI WASHINGTON RSRS

Cara, só porque eles são negros?

É NÃO CLARO QUE NÃO É QUE ELES SÃO UMA DUPLA-

Não, não! Isso foi racista! Pra começar, o will.i.am faz tudo sozinho, carrega o outro nas costas, enquanto Cumpadi Washington e Beto Jamaica era uma dupla equilibrada, em sintonia. Ambos eram importantes. Você falou só porque eles são negros!

MAS MAS NÃO NADA A VER

Falou sim! Racista!

NÃO RAFINHA VOCÊ SABE QUE EU NÃO SOU RACISTA QUE EU GOSTO DE NEGROS

Só pra fazer sexo! Eu te conheço! Você acha que pessoas negras são objetos sexuais!

VOCÊ DISSE QUE QUERIA FAZER SEXO COM UMA NEGRA

Ah, claro, fazer sexo eu quero fazer com todo mundo, mas não vou dizer que quero fazer sexo com uma negra por dizer que ela é, por exemplo, igual à Xica da Silva! Isso foi racista! Racista!

AI RAFINHA NÃO FALA ASSIM QUE EU FICO TRISTE

Tá! Tudo bem! Mas vai lá e pensa no que você disse!

TÁ BOM DESCULPA =´((

Tá! Vai lá, depois a gente se fala.

Cada um que me aparece aqui.

Opa, vocês ainda tão aqui?! Hehe, bem, ahem, vejamos, do que falávamos? Ah, sim, Planet Waves!

As duas últimas canções são excelentes, e Never Say Goodbye tem um trecho que representa bem a destreza poética do dirty jew Bob Dylan:

My dreams are made of iron and steel
With a big bouquet
Of roses hanging down
From the heavens to the ground

A última, Wedding Song, fala sobre outro assunto muito do favorito do nosso intrépido judeu Dylan: o casamento. Nesse coração rebelde bate o sentimento primitivo de constituir família e perpetuar a espécie (à base de muito facial e fistfuck). Nossa, que que eu to falando?!

Então! Wedding Song! Uma música simples, só com Dylan e o violão, num ritmo hipnotizante, descendo num espiral de decepções que, invariavelmente, caracterizam a relação monogâmica e seu natural desdobramento: a separação. Ai, que coisa triste, Rafinha, você fala agora, e eu falo Mano, são 8 pras 5 da tarde e eu nem almocei ainda! Você quer que eu diga coisas bonitas? Pelo menos tomei banho – ontem passei em branco. Mas agora estou em casa, na fria, úmida e cinza São Bernardo. Stela tá na Colômbia e mandou avisar que esse resto de mês eu (Rafael Zanatto) estou solteiro para todos os efeitos, e que é pra me chamar pra beber. Ela disse “Faz o que tu querer pois é tudo da lei”. Calma, foi ela que disse isso? Tava no email? Foi ela ou o Raul Seixas? Agora fiquei em dúvida, mas acho que foi ela, sim! Bem, de qualquer forma, é isso aí! De agora em diante, estou sob a Lei de Gil: Vale tudo, só não vale dar o cu.

VALE SIM RSRSR

haha é né sei lá

Sai daqui.

Leave a comment

Filed under Duplo sentido, Maluco chato, Que papo é esse?, Review, Zimmerman

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s