Tabus masturbatórios!

YES!

-Ebaaaaaaaa!

-Isso aí, chefia!!

É!! Todo mundo gostou!! Até coloquei um ponto de exclamação no título do post! Isso aí!

YES!

Hoje é dia de falar de

TABUS MASTURBATÓRIOS!

Nossa, o papo de hoje vai ser muito bom!

VAI MESMO RAFINHA GOSTEI MUITO DESSA IDÉIA

Nossa, Chicão, você gostou?

-Orra, chefia! Puta papo muito louco!

Aliás, por onde você esteve, Chicão?

-(baixinho, segredando) Shh… não posso falar agora.

Bom, beleza. Criançada, vocês gostaram né?

-Oooo-rraaaaaaa!

Haha nunca vi um coro desses antes. Mas muito bom! Loirinha, você! Você tem algum tabu masturbatório?

-Eu não tenho tabu nenhum!

E a galera vai ao delírio! Alguém grita lá no fundo:

-MAS O QUE É TABU PRA UMA PESSOA PODE NÃO SER PRA OUTRA!

Verdade, em parte, verdade. Mas hoje vamos falar de TABUS UNIVERSAIS!

-MAS A UNIVERSALIDADE ESTÁ NA PARTICULARIDADE!

Quê?

-Chefia.

Fala, Chicão.

-Você num acha que tá na hora de começar esse post logo?

É verdade, vamos começar (arruma a gravata, limpa a garganta) ahem vamos começar a falar sobre

TABUS MASTURBATÓRIOS

Primeiro tabu: Admitir que se bate punheta.

Ah, esse tabu é muito simples e fácil de superar! A primeira coisa que você tem que fazer é contar pra alguém que você bate punheta. De preferência, no ônibus, pra uma velhinha. Você chega, e fala baixinho (mas não muito mais, vai que a velha é surda): Ei, vovó, eu bato uma punheta gostoso de vez em quando (umas 3, 4 vezes por semana, mais ou menos) (e todo dia nas férias) (alguns dias até duas punhetas). A reação da velhinha depende, especialmente se ela for surda – nesse caso, ela não terá reação alguma. Portanto, se você quiser 100% de efetividade, recomenda-se que, simultaneamente ao anúncio, você esteja batendo uma, e quando a velhinha se virar pra você, faça uma cara de pirado, um sorriso tresloucado, e aponte com os olhos pra baixo, tipo tipo isso, vovó, e tá lá, parecendo um pé-de-cabra, e você massageando aquele negócio.

Mundo 0 x 1 Você.

Segundo tabu: Som ligado no pornozão.

Esse é um tabu que assola milhões e milhões de jovens: não poder assistir seu filme de sexo explícito com o som ligado. Sempre no mute, ou muito baixinho, pra ninguém ouvir. Nem seus pais, nem seus irmãos, nem seus primos, nem amigos (seus avós tão meio surdos, não tem problema, então)! De onde saiu tanto recato? Seus amigos sabem que você bate punheta! Especialmente quando você liga a webcam com a piroca de fora e começa o negócio ao vivo, ali na rede mundial de computadores mesmo. Eles tão ligados! E por que você tira o som? Por que você abaixa o volume a níveis imperceptíveis? Você quer ouvir um dirty talkin, não quer? Claro. Você quer ouvir uns gemidos falsos, não quer? Orra! Você quer ver o cara gemendo como se estivesse ejaculando uma gilete, não quer? Porra se quero! Então, meu amigo, você precisa se libertar dessas amarras opressoras dos bons costumes e da convivência social. Ligue o som no máximo! Transforme sua punheta numa experiência para todos os sentidos! Acaricie seu pênis! Ouça a respiração entrecortada do amateur couple, a sucção da teenage whore, cada risotinha escondida do filho da rubbing mom caught on tape! Não mais fique com os ouvidos ligados a passos no corredor, tosses noturnas que alarmavam sua punheta! Não! Permita-se o prazer da experiência total do mágico mundo do sexo alheio em filme, aqui, na nossa interweb!

Nossa, fiquei meio tonto! Maldita asfixia auto-erótica!

Vou dar uma desmaiada e já voltozzzzzzzzz

Voltei!

Terceiro tabu: punheta para alguém que você ama.

Esse é um tabu muito polêmico (os outros não são?!), e eu mesmo, posso afirmar, sou vítima deste tabuzinho gostoso toda vez que vou me masturbar. É certo bater punheta pensando em alguém que você conhece? Nossa, vou desmaiar de novo, calma aízzzzzzzzz

Voltei.

Voltei de novo. Desmaiei uma terceirazzzzzz

Quarta vezzzzzzzzz

RAFINHA PÁRA COM ISSO FOI ASSIM QUE O DAVID CARRADINE MORRZZZZZZZZZ

Voltei.

VOLTEI TAMBÉM NOSSA QUE LOUCO FOI ISSO

Bater punheta pra alguém que você conhece: legal ou não tão legal?

Vamos analisar a situação.

Você bate punheta pro seu primo – não tão legal.

Porra, num era nesse sentido que eu tava falando!

Tava falando, por exemplo, você conhece uma menina, vocês se encontram numa festa, e ela está usando um decote que benza Deus – e sem sutiã! Nossa, não dá pra aguentar essa, dá? Eu já comecei aqui, só de pensar! Então vai fundo, meu amigo! Não perdoa! Se fosse você, nem esperava pra ir pra casa e batia no banheiro da festa mesmo! Afinal, quem nunca ficou excitado, teve uma ereção ou até mesmo bateu punheta no banheiro de uma balada?

Essas coisas são normais.

Mas agora, falando sério: muitas vezes fui recriminado por não me masturbar pensando em pessoas que eu conheço

COMO ASSIM PESSOAS VOCÊ TÁ FALANDO DE HOMENS E MULHERES?

Haha, não, não! Expressei-me mal! Só mulheres! E gays! Gays contam, não contam?

CONTAM SE VOCÊ NÃO FOR RACISTA

É verdade, não se pode ser racista nesses dias! Então, crianças, para evitar comportamento racista, batam punheta pra todo tipo de vídeo: gays, inter-raciais, mom vs son, water sports, dildo action, rape, freaky japanese stuff, tudo!

Quarto tabu: bater punheta na casa dos outros.

Ei, ei! Aí o assunto já começa a ficar meio estranho!

É uma viagem? Quantos dias vocês vão ficar?! Mais de uma semana? Uma punheta, talvez. Dois dias? Não, sem punheta. Bate-e-volta na praia? Nem pensar. Bate-punheta-e-volta na praia? Qual o sentido disso? Dormir na casa de um amigo depois da balada? Talvez. Ele é gostoso? E se for? Se for, bate ué. Mas e se não for? Bom, não sei, você tá a fim mesmo de bater essa punheta? Meu pau tá formigando de ansiedade. Bom, então bate. Mas no banheiro, bonitinho, usando papel e tudo. Nada de gozar na pia, como você fez aquela vez na casa dos seus avós. O quê! Você fez isso mesmo? Po, fiz, mas foi só aquela vez. Nossa, cara, não acredito! Mas e você, que bateu punheta enquanto dormia na mesma cama que a sua avó?!! Nossa, estamos falando muito sobre avós hoje, né? Estamos mesmo, meio nada a ver isso. Aliás, quem tá aí? O Rafael é qual? O que começou falando. Sou eu. Mas, quem bateu punheta na casa da vó? Qual, a da gozada na pia ou a na cama? A da pia. Bom, eu não fui. Foi você Rafael? Nem pensar, por que eu faria isso? Gozar na pia não faz muito sentido. E a da cama, quem foi? Eu não fui. Nem eu. Nem eu. Sobrou só você então, Rafael. Mas não fui eu. Ué, se não foi mais ninguém, tem que ter sido você, por que alguém falou que bateu, e se não fomos nós, foi você. Não, ninguém falou que bateu punheta na cama com a vó, foi uma acusação. Ah, é verdade. Foi um cara que eu conheço. O mesmo cara que bateu punheta e gozou no protetor solar da prima? Nossa, não, esse é outro. Você tá bem de amizades, hein, Rafael. Po, to mesmo, vide vocês aí que gozam na pia dos seus avós, seus filhos das putas.

*Feliz dia do amigo*

Vai gozar na pia dos outros, filho da puta!

1 Comment

Filed under Duplo sentido, Gay's the way, Incesto, Maluco chato, Mulheres gostosas, Não foi bem assim, Peitos, Punheta, Putaria e abominação, Que papo é esse?, Seres Humanos Reprováveis

One response to “Tabus masturbatórios!

  1. Anônimo

    KKKKKKKKKK muito bom

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s