Top 5 Jimi Hendrix

Hoje falaremos sobre um homem que transcende a própria natureza humana. Se, como dizem, a arte é o caminho para compreender e se aproximar do divino, Jimi Hendrix é dos músicos que mais chegaram perto de Deus.

Eu gosto de Bob Dylan, vocês sabem. Eu gosto e eu ouço a ponto de realmente odiá-lo! Bob Dylan tem músicas maravilhosas, letras excelentes, mas nada que se compare ao peso e à beleza da música do Jimi.

E agora, com toda autoridade que me foi conferida pelo WordPress, e obrigado pela tradição opressora de Nick Hornby, vou lhe presentear com a lista das 5 melhores músicas de James Marshall Hendrix.

5. CASTLES MADE OF SAND

Uma pequena obra-prima de 2:46 minutos sobre fracassos. Jimi conta três pequenas histórias: a primeira sobre um marido bêbado trancado pra fora de casa; a segunda, os planos (e o desfecho trágico) de um pequeno índio; e a terceira, sobre uma menina aleijada que pretende se matar. Apesar do tom triste da música, o final é esperançoso:

She drew her wheelchair to the edge of the shore
And to her legs she smiled you wont hurt me no more
But then a sight she’d never seen made her jump and say
“Look a golden winged ship is passing my way”

And it really didn’t have to stop, it just kept on going…

And so castles made of sand slips into the sea, eventually

4. ALL ALONG THE WATCHTOWER

Bob Dylan e Jimi Hendrix - quem é quem?

No final dos anos 60, a influência estética de Bob Dylan era enorme em todo o mundo, especialmente no rock. Os cabelos enrolados daquele judeu de Duluth fez com que muitos branquelos fizessem permanentes, mas nem por isso Jimi ficaria de fora.

É, meu amigo! Não foi só o cabelo que Jimi pegou emprestado do Bob Dylan! All along the watchtower é composição de Dylan, lançada no John Wesley Harding, de 67. A versão original tem um ritmo reto e direto, que destoa e salienta a bela letra – que é uma história, baseada em um trecho do livro de Isaías sobre a queda da Babilônia, que começa pelo fim e é carregada até o desfecho onde a ação se inicia. Ou isso, ou é o Bob Dylan falando altas merdas enquanto toca aquela porra de violão dele.

Mas nada disso importa quando falamos da versão do Jimi. Com camadas e mais camadas de sons, Jimi criou uma música totalmente diferente da que Bob Dylan concebeu. Em contraste com a monotonia da versão original, Jimi faz de All along the watchtower um cenário caótico para um solo de guitarra que queima e explode como fogos, aliando-se perfeitamente à letra misteriosa de Bob Dylan. Não tem nem discussão de qual é a melhor.

Esta versão ao vivo de 1970 não faz jus à maravilha criada por Jimi em 68. Já no fim da sua curta vida, ele não era mais o mesmo. Olha como erra a letra enquanto canta. Mas, ainda assim, podemos ver neste vídeo toda a eroticidade e beleza de Jimi Hendrix. Como disse Pete Townshend, na lista dos 100 maiores guitarristas de todos os tempos da Rolling Stone:

Onstage, he was very erotic as well. To a man watching, he was erotic like Mick Jagger is erotic. It wasn’t “You know, I’d like to take that guy in the bathroom and fuck him.” It was a high form of eroticism, almost spiritual in quality. There was a sense of wanting to possess him and wanting to be a part of him, to know how he did what he did because he was so powerfully affecting.

3. THE WIND CRIES MARY


A maravilhosa letra de autoria do próprio James Marshall, cantada na sua voz suave e cativante, é cheia de belas imagens, sempre culminando no refrão de uma frase só (comum em suas músicas). Escolher apenas um trecho para representá-la é mais difícil que se decidir por apenas 5 canções para a lista.

After all the jacks are in their boxes
And the clowns have all gone to bed
You can hear happiness staggering on down the street
Footprints dressed in red
And the wind whispers Mary

A broom is drearily sweeping
Up the broken pieces of yesterday’s life
Somewhere a queen is weeping
Somewhere a king has no wife
And the wind, it cries Mary

A beleza das suas canções está na tristeza e na melancolia de suas letras, voz e dedos. Aliadas às suas referências transcendentais e sutilezas sinestésicas, temos as principais marcas da arte de Jimi.

2. LITTLE WING

Ela começa suave, e vai evoluindo sutilmente, enquanto, na versão de estúdio, um glockenspiel (um instrumento parecido com um vibrafone) coincide notas com a guitarra, como sinos. Extremamente curta, logo se eleva num solo que não chega a ter fim – a música termina antes. Não tem nem o que fazer, a música é linda.

Well she’s walking through the clouds
With a circus mind that’s running wild
Butterflies and zebras and moonbeams and fairy tales
That’s all she ever thinks about
Riding with the wind

When I’m sad, she comes to me
With a thousand smiles, she gives to me free
It’s alright she says it’s alright
Take anything you want from me, anything
Anything…

Fly on little wing,
Yeah yeah, yeah, little wing

1. VOODOO CHILD (SLIGHT RETURN)

O que mais impressiona em Voodoo Child, é a quase fusão que há entre Jimi e a guitarra. Como uma extensão do seu corpo, uma extensão eminentemente sexual, Jimi eleva o som de forma divina, e arremessa-o ao chão violentamente.

Jimi não era um letrista literário como Bob Dylan. Ele falava as palavras como se tocam as notas. Sem tanto rigor técnico, suas letras se aproximam em estilo, por exemplo das de Jorge Ben Jor, pelas sutilezas e pela imensa capacidade de fazer com que qualquer relato, corriqueiro ou extraordinário, se torne algo bonito. Era extremamente imagético.

Inclusive, uma das imagens mais bonitas de suas canções está aqui:

Well, I stand up next to a mountain
And I chop it down with the edge of my hand
Well, I pick up all the pieces and make an island

Might even raise a little sand

Sobre a destreza apresentada em Voodoo Child, Kenny Wayne Shepherd diz:

This is pretty much the guitar anthem of all time. From that amazing opening riff to the way he breaks it down in the middle and gets funky, the whole thing is incredible. There are things Jimi did on the guitar that humans just can’t do. You can try all day, even if you’re playing the right notes, it’s not the same. It definitely seems as if he was coming from a higher place when he played

Dizer apenas que Jimi é o maior guitarrista de todos os tempos é subestimar sua capacidade lírica, seu estilo altamente sedutor de cantar e, especialmente, sua desenvoltura física com a guitarra nas mãos. Novamente, Pete Townshend, na lista da Rolling Stone:

I feel sad for people who have to judge Jimi Hendrix on the basis of recordings and film alone; because in the flesh he was so extraordinary. He had a kind of alchemist’s ability; when he was on the stage, he changed. He physically changed. He became incredibly graceful and beautiful.

O primeiro single da Jimi Hendrix Experience foi Hey Joe, lançado em 16 de dezembro de 1966. Em 18 de setembro de 1970, Jimi Hendrix morreu afogado no próprio vômito. Foi uma carreira curta, mas com álbuns brilhantes e músicas geniais. Assim como Little Wing, Jimi Hendrix acabou bem antes do final. E foi lindo.

2 Comments

Filed under Jimi, Zimmerman

2 responses to “Top 5 Jimi Hendrix

  1. F

    Eu nunca parei para ouvir Hendrix e o Experience com a devida atenção, apesar de ter os discos lá em casa (e no iPod aqui).
    Vou aproveitar o teu ótimo post e ouvir com mais carinho.
    Valeu!

  2. Belo post sobre o Hendrix, eu só tiraria uma dessas para colocar “Bold as love” que tenha talvez um de seus melhores solos… menos virtuose do que outros.

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s