Rafael recomenda

Olá, meus amigos! Estão todos felizes?

É BOM ESTAREM, SENÃO VÃO FICAR NA MARRA!

Falando em fazer as coisas na marra, hoje me livrei de um vírus que ameaçava meu computador por meio de procedimentos rudimentares. Eu estava aqui, belo, belíssimo, vendo minhas pornografia online, mentira, não tava fazendo isso, na verdade, não tava fazendo nada demais! Estava lendo uma reportagem sobre uma professora americana condenada por enviar fotos nuas prum aluno – e ela era mó gatinha!

Fui ver, tinha uma lista com outras professoras condenadas por semelhante crime (isso, na minha terra, a gente chama de bênção), e todas eram gatinhas! Loirinhas, todas maníacas, presumivelmente bem piranhas mesmo! Porra! Isso sim é que é uma professora! Nossa, que que eu to falando? Já faz um tempo que eu queria escrever sobre professoras, e sobre como eu, invariavelmente, me apaixono por todas elas! Mas não, hoje não! Hoje é dia de

RAFAEL RECOMENDA

(cara, se vocês soubessem o quanto eu erro o atalho pra ativar o negrito aqui!)

Já que nos próximos dias eu provavelmente não poderei postar com a frequência desejada, vou recomendar algo que possa entretê-los durante esse pequeno hiato que se aproxima. Três recomendações!

Caiquems– (http://caoecaos.wordpress.com)

Eu sou fã do Caiquems, e temos muito em comum. Primeiro estudamos (ele ainda estuda), na mesma faculdade. Segundo, não nos conhecemos pessoalmente (é algo em comum, num é?). Terceiro, somos ambos corintianos (o que é excelente). No twitter, tenho que me segurar para não dar retweet em toda e qualquer merda que ele escreve. Aqui, alguns exemplos dos mais refinados de seu aforismo borderline:

vo dormir, amanha blog sobre o fim da copa e maconha comer todas burguesa na imaginação

Depois o cara tira o pau pra fora e bate punheta ali mesmo no busao e os direitos humanos vem e fala que é atentado violento ao pudor

So no brasil mesmo que a punheta no busao é desencorajada

quem nunca desejou morder a bundinha de uma menina de 14 anos? #eunaopoliciafederal

As vezes eu fico pensando “quanta bundinha pra se morder nesse mundo!” #pensamentos #quantabundinha

8 – beijo no cu

essa copa tá cheia de lesoes pq a africa é 1 continente amaldiçoado cultuadores do demonio atraves da macumba

vai tomar no cu essa bunda hein professora

Pagaria pra fazer sexo com ela

Pagaria pra me imaginar batendo uma punheta pra ela #nadaver #porranemetudoisso

Pagaria pra bater punheta pra ela #masissoeupossofazerdegraÇa

agora so praia e faculdade comer todas burguesa na cidade universitaria

vou me masturbar CONTRA TUDO E CONTRA TODOS

eu me masturbei para a pessoa errada

Caralho CARALHO Nunca o amor a primeira vista se levou tao a sério

Às vezes, quando escrevo no meu blog, eu penso Porra, to escrevendo igual ao Caique, e outras, lendo o blog dele, a mesma identificação. Fico confuso, se quem disse tal coisa fui eu ou o Caiquems. Temos tanto em comum, que às vezes nos misturamos. Mas há uma diferença básica: ele é negro, e eu sou branco. O que provavelmente lhe garante mais chance com as mulheres.

Senão com as mulheres, comigo.

Sexo gay!

SIGÃO: @caiquems

Godinho (http://www.god-inho.blogspot.com)

Godinho, assim como o Caique, também fez História, mas era meu veterano. A very peculiar looking gentleman. Recomendo, no blog dele, os textos da Esquerda Botequeira, movimento político criado na faculdade, que concorreu às eleições pro Cahis (Centro Acadêmico de História, caso você mula, não tenha sacado) com a chapa Último Foco de Resistência. No blog tem também os vídeos dos debates daquela eleição histórica (sem trocadilhos)! Havia alguns anos que o Cahis simplesmente não tinha diretoria. Eu estava no segundo ano quando começou a haver certa movimentação, e armaram uma eleição. Eram basicamente três forças: os comunistas que queriam a revolução na marra; o partido do menino malufinho (que queria anexar a Bolívia e meter polícia no campus); e o UFR, formado por veteranos, extremamente intelectualizado, que apostava todas suas fichas em piadas e cerveja. Foi, de longe, a articulação social mais autêntica e sincera daquela faculdade. Era uma coisa com a qual todos se identificavam, exceto os comunistas e os direitistas, que geralmente não têm o menor senso de humor.

Um trecho do texto Futebol e autonomia: uma leitura dialético-existencialista pós-estruturalista boleira, da Esquerda Boleira:

Futebol e Existência – Para a Esquerda Boleira, o futebol é uma prática social fundada em uma concepção materialista e existencialista do mundo. Karl Marx, que conheceu o futebol na Inglaterra, dizia que “os homens fazem o futebol, mas jamais o fazem com querem”, inaugurando assim uma extensa tradição político-boleira que interpreta a práxis nas quatro linhas como a dialética entre ação humana e condições históricas. Uma leitura existencialista da prática boleira leva-nos a perceber ainda mais o papel do ser humano e o caráter existencial do futebol. Sartre deixou claro em “A Bola e o Nada: Para Uma Fenomenologia do Futebol Arte”, que o futebol transcende a contingência apenas quando reconhece a existência do boleiro para além das estruturas técnicas, jurídicas e táticas.

Enfim, o Godinho sempre foi um cara demais, e mesmo sem vê-lo há muito tempo, acredito que permaneça um ser humano acima da média (e de chinelo).

Roesler (http://marbleshrine.blogspot.com)

Diogo Roesler sei lá como apareceu. Mas como apareceu, desapareceu. Menino lá do Sul, ficou um bom tempo no meu msn basicamente me xingando e garantindo que nunca, em hipótese alguma, batia punheta. Eu achava aquilo estranho demais, e nunca aprovei. Inclusive, sempre que ele vinha me chamar de “Zanatto Merda”, eu reprovava aquele comportamento desviante dele, e reafirmava não apenas os prazeres, mas as vantagens de se tocar uma bela bronha. Até que certo dia ele simplesmente disse que tudo era mentira, que ele batia punheta sim. Bom, sei lá, né! Então começamos a conversar mais normalmente, e ele era ligado em literatura, e começou a escrever. Conversávamos sobre o assunto. Ele sempre vinha com dúvidas malucas, como se eu pudesse respondê-las! Um menino genial. Mostrou-me a geração beat, que até então eu ignorava. Nesse blog dele há alguns textos sensacionais, num estilo que tentei em vão copiar. Genial. Ele disse que gostava de escrever bêbado – o que geralmente não consigo fazer.

Um chorinho do Roesler pra vocês:

Me joguei na banheira. Mas não foi uma simples entrada, praticamente estatelei meu cadáver naquele gigante vasilhame gélido e duro, que estava prestes a presenciar uma sopa morna de órgãos genitais. Geralmente fico absorto nessa hora, e deleito ao máximo de meu spa particular. Foi quando olhei pra lua, aí depois olhei pra janela, a qual lhe faltava um pedaço de vidro levemente fumé em seu canto superior esquerdo, provavelmente fruto de alguma brincadeira mal-sucedida de meus vizinhos, envolvendo bolas. Depois meus olhos alcançaram os frascos de shampoo de todas as cores do mundo, que ela costuma comprar quando em promoção. Sabe como é, eu aumento o preço, você leva 2 mas paga 1, e todo mundo sai legal. Percebi logo que os frascos de shampoo travavam uma luta de vida ou morte pelo repouso absoluto! Um interessante fato no mundo da beleza, uma peleja diríamos que memorável! Abruptamente desclassifiquei o Shampoo de Frutas Cítricas do combate quando levei uma ínfima quantidade (We are in crisis, come on!) daquela cremosidade ao meu cabelo. Depositei suavemente o shampoo ao seu lugar inicial, mas este já foi um Shampoo de combate. Não mais.

Depois de um tempo, ele simplesmente sumiu.

Aliás, nem terminei de contar como eu me livrei do vírus aqui no meu computador. O vírus tava maluco, e muito malandro, enchendo meu saco – sei lá como ele apareceu aqui. Mas tava doidinho pra ser executado. Ficava uma mina falando “Você está infectado”, e subiam avisos falando que meu computador havia se transformado numa máquina de enviar spams e que eu seria processado por enviar spams! Ele se passava por um antivírus intrometido, e falava até que meu Facebook seria usado para operações ilegais, e eu não queria que isso acontecesse, queria? AH ACHO QUE NÃO!

Bom, em resumo, era um vírus extremamente babaca que estava torrando meu saco. Por um bom tempo brincamos de gato e rato, mas ele, como sabonete molhado, sempre escapava das minhas mãos na hora h! Tentei exlcuir o programa, fiz de tudo, mas nada resolvia. Então localizei o desgraçado e, enquanto meu computador o distraía, arrastei-o para a lixeira e o excluí permanentemente!

Por algum tempo duvidei da efetividade do meu procedimento – era como capturar um mosquito e jogá-lo pela janela, não poderia ser tão simples! Mas foi.

Então, Rafael 1, Interweb 0.

1 Comment

Filed under Blog, Crise!, Duplo sentido, Escrever, Futebol, Gay's the way, Pedofilia é crime, Praia e maconha, Que papo é esse?

One response to “Rafael recomenda

  1. li conconi

    te sigo no twit há uns dias e tenho certeza q vc tem mesmo vontade de dar RT em todos os posts do tal caique hahaha um beijo.

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s